Boletim da Nutrição – PMERJ Nº01- abril 2017

A Páscoa vem ai e ninguém resiste ao chocolate, mas você sabe qual é o melhor chocolate?

O chocolate é um alimento produzido a partir do cacau. Em sua composição, destacam-se o pó e a manteiga de cacau, extraídos das sementes do fruto, além de diferentes teores de açúcar refinado. Em alguns produtos são adicionados óleos vegetais. Há quantidade considerável de gorduras saturadas e monoinsaturadas, provenientes da manteiga de cacau. Outros componentes presentes no chocolate são as substâncias antioxidantes, que são benéficas para a saúde e apresentam funções que ajudam no combate ao câncer e desaceleram o processo de envelhecimento, dentre outras.

Quais as diferenças?

O chocolate branco é feito basicamente de manteiga de cacau, leite e açúcar, e não apresenta cacau, sendo este o tipo com maior teor de gordura saturada, açúcar e calorias.

O chocolate ao leite é um alimento de alto valor calórico, com grandes quantidades de gorduras saturadas e açúcar. Já os chocolates do tipo meio amargo e amargo apresentam maior quantidade de cacau e menor quantidade de leite, gordura e açúcar, conferindo maiores proporção de substâncias antioxidantes e menos calorias, quando comparados ao chocolate ao leite.

AMARGO X DIET

E qual o melhor chocolate para pessoas com diabetes?

É importante saber que: Embora o chocolate diet não apresente açúcar, esse produto tem maior quantidade de gordura saturada e colesterol em comparação ao chocolate ao leite comum, e são adicionados adoçantes artificiais que fornecem sabor extremamente doce.

O chocolate amargo apresenta maior teor de polifenóis, que são substâncias benéficas para o organismo, mas ele contém açúcar, o que não é bom para o indivíduo diabético. Por apresentar maior proporção de cacau, o chocolate meio amargo

apresenta menor quantidade de leite e, consequentemente, menos gordura. 

Atualmente, existem no mercado opções de chocolate amargo e meio amargo sem adição de açúcar, que podem ser uma alternativa melhor para os indivíduos que apresentam diabetes, e ainda sem adoçantes, corantes, conservantes e aromatizantes artificiais. Esta também é uma boa opção para a maioria das pessoas. Ainda assim, o consumo tanto de

um como de outro deve ser feito com cautela e com frequência reduzida.

Você sabia:

Os benefícios do chocolate amargo dependem de fatores que garantam a presença de compostos antioxidantes. A quantidade desses compostos no chocolate depende das características genéticas do cacau, do clima de cultivo, além do processo de produção.

Estudos sugerem que o cacau e o chocolate amargo têm efeitos benéficos sobre o risco de doenças cardiovasculares, onde foi observado, em curto prazo, a redução da pressão arterial. Entretanto, este alimento, assim como os demais tipos de chocolates, é rico em calorias, devendo ser consumido com moderação.

Fonte: Boletim da Nutrição – PMERJ

Nº 01 de Abril – 2017